Ano novo… vida velha?

Nova vida...

Será que a troca de um ano para outro tem a incrível capacidade “mágica” de retirar todos os problemas que o ano está carregando?

Há alguns dias, me chamou a atenção algumas falas de pessoas próximas, seja no Facebook (onde tudo acontece), seja pessoalmente. Essas pessoas estavam reclamando de 2014, ano que estava findando – mas que “não acabava nunca”, segundo elas próprias – e desejando fortemente que este ano começasse logo. Traduzindo em miúdos, o que eu entendi a partir da fala, de certa forma, martirizada dessas pessoas é: o ano de 2014 já trouxe problemas suficientes, não aguentavam mais o que estavam passando, e queriam que 2015 começasse logo, pois, segundo elas transpareciam, tudo se acalmaria e a vida voltaria a ser tranquila, serena e sem problemas. Fiquei pensando… será?

Será que a troca de um ano para outro, a virada no calendário, o dia 31 de um ano pelo dia 1º de outro, tem a incrível capacidade “mágica” de retirar todos os problemas que o ano, aparentemente, está carregando? Será mesmo que o “culpado” dos problemas estarem ocorrendo na vida dessas pessoas é realmente o “ano”?

Ainda acompanhada por esse pensamento, poucos dias depois, coincidentemente ou não (pois eu não acredito em coincidências), li uma frase assim no Facebook: “O ano não vai ser novo se você for o mesmo”. E então, parece que obtive o esclarecimento para a inquietação que estava me martelando a respeito dessa relação entre ano velho/ano novo/problemas na vida.

Precisamos parar de encontrar “culpado” para os nossos próprios problemas.

O que tenho pra mim é: precisamos parar, de uma vez por todas, de encontrar “culpado” para os nossos próprios problemas no exterior, em alguém, em alguma situação. De uma vez por todas, precisamos entender que somos responsáveis por aquilo que acontece conosco, afinal, nós é que pilotamos o veículo da nossa própria vida. Conforme uma frase de Carl Jung, psiquiatra e psicoterapeuta suíço do século XIX: “Eu não sou o que aconteceu comigo, eu sou o que escolhi me tornar”.

E enquanto continuarmos a colocar a “culpa” nos outros, enquanto continuarmos nos martirizando por problemas que até então achamos que de nada temos responsabilidade, os problemas só mudarão de nome, de lugar, mas serão sempre os mesmos. Pois os problemas sempre existirão, a grande questão é a forma como reagimos a eles, como os encaramos, a perspectiva que damos a eles. Tenho problemas? Ok, mas o que eu posso ter feito, pensado ou reagido para originar ou, até mesmo, atrair esse problema que estou passando? Será que se lamentar, se revoltar e colocar a culpa no ano – já que estamos nessa época – irá solucionar o problema? Será que é válido achar que um ano, milagrosamente, irá mudar a sua vida por si só?

Um ano pode sim mudar a nossa vida! Afinal, nessa época somos invadidos por um sentimento de esperança, de renovação, de promessas e desejos. Tudo isso é extremamente válido e maravilhoso, mas se encararmos de modo a sabermos que isso tudo só se concretizará se assim agirmos para tal, e não porque o ano X trará sorte ou não. Será que não é a nossa energia, o tipo de emoções e sentimentos que vibramos e alimentamos em nossa vida, a maneira como encaramos as situações, como tratamos os outros, que tem relação na forma como o ano decorre?

Será que é tão mais fácil assim colocar a responsabilidade no ano?

Será que não é mudando a nossa maneira de agir, conosco mesmo e com as pessoas ao nosso redor, que atrairemos sorte e felicidade? Se eu decidir que no próximo ano eu serei mais paciente, serei mais amoroso com meus amigos e familiares, que serei mais calmo e não alimentarei a raiva e o rancor, que eu ajudarei mais o próximo… será que não são essas atitudes que realmente determinarão um ano e a nossa vida como um todo? Será que é tão mais fácil assim colocar a responsabilidade no ano, que se for par eu terei sorte e se for ímpar terei azar e vice-versa, como muitas pessoas alegam?

Agir dessa maneira não é tão difícil quanto parece. Apenas exige disciplina, que é algo que temos que ter como importante prioridade em nossa vida. Afinal, quando alguém quer um carro novo, tão logo começa a ser disciplinado para guardar dinheiro para adquiri-lo. Quando alguém quer um sapato da moda, sem perceber começa a economizar e ser disciplinado para pagar as parcelas. Por que, então, é sacrificante ter a disciplina no que vem de dentro da gente, isto é, nos nossos pensamentos, nas nossas emoções e sentimentos, nas nossas ações e atitudes para conosco e com os outros?

Já que é uma época de celebrar o Natal e o nascimento de Jesus Cristo, utilizemos uma frase do próprio: “Orai e Vigiai”. Tal conselho nunca foi tão importante e vital para que todos nós passemos a seguir. Com tanta informação disponível, tantas oportunidades de aprendizados, precisamos cada vez mais estarmos conscientes e retirarmos o véu que desfoca o que realmente entendemos como realidade, e não aquilo que nos é imposto, pelo sistema ou pela mídia, por exemplo. É preciso que encaremos, também, as nossas questões internas, aquilo que nosso coração fala, e não somente olhar para o exterior, para o físico, para a aparência. “Orai e Vigiai” nada mais é do que estarmos atentos aos próprios pensamentos e sentimentos, saber de tudo o que acontece dentro da gente e encarar isso com responsabilidade, como criadores da nossa própria vida.

Seja novo! Renove os votos de esperança, a vibração do seu coração e da sua consciência.

Por isso, a minha mensagem para o ano novo é: se você percebe que vem repetindo certos padrões de comportamentos e pensamentos, ano após ano, e você se vê rodeado de problemas e ainda pensa que a virada do ano irá resolvê-los, está na hora de rever os seus conceitos, de rever a forma como você enxerga a si mesmo no meio das situações que acontecem na sua vida. Por isso, conforme a frase do Facebook: se o ano é novo, seja novo! Renove os votos de esperança, mas renove também a vibração do seu coração e da sua consciência.

Faça planos, tenha sonhos, mas que envolvam os outros também, não somente a si mesmo. Faça caridade. Ajude o próximo. Doe o que não serve mais e que pode ser de grande valia a outra pessoa. Se doe. Passe o conhecimento. Leia mais e veja menos televisão. Sorria mais e lamente menos. Abrace quando sentir vontade de explodir. Se preocupe mais com temas importantes que envolvem o nosso Planeta e não vire a cabeça para a fofoca do dia. Queira, deseje, do fundo do seu coração, que o próximo ano, SIM, traga mais paz e alívio para os seus problemas. Mas mude. Mude seus pensamentos, mude suas emoções, mude a forma como seus sentimentos vibram e são destinados aos outros. Aí sim, é possível ver que um ano, “milagrosamente”, trouxe sorte e resolução para seus anseios!

Feliz Ano Novo! Feliz Você Novo!

Opt In Image
Saiba sempre quando houver um novo texto!

Assine nossa newsletter e mantenha-se atualizado com novos artigos que buscam melhorar as nossas vidas. Seu email jamais será divulgado. É prático, eficiente e seguro!