Mudança de hábitos: 14 Dicas de Economia de Água e Energia

Economia de Água e Energia

Mudança de hábitos: 14 Dicas de Economia de Água e Energia

Os atuais problemas que enfrentamos demonstram um caso sério sobre a nossa relação com a natureza e os recursos que ela nos dispõe.

O ano sempre começa com muitas notícias ruins para todos os brasileiros: secas gravíssimas, multas sobre consumo de água, alta exorbitante na conta de luz, e por aí vai. Os avisos das crises que assolam todo o país chegam à casa dos brasileiros com um gosto amargo e com reações diversas por parte dos cidadãos: revolta, indignação, angústia, etc.

Frente a esse cenário, a proposta desse texto não é defender ou acusar as medidas tomadas pelo governo. Mais do que nunca, é preciso interpretar essas crises de uma forma diferente, isto é, a crise deve ser encarada como uma emergência em modificação das consciências das massas, uma vez que tais problemáticas demonstram um caso sério sobre a nossa relação com a natureza e os recursos que ela nos dispõe.

Isto por que, com ou sem medidas, com ou sem alertas, ainda vemos notícias sobre consumo excessivo e desperdício de água. Em fevereiro, por exemplo, 19% dos consumidores aumentaram o consumo de água, segundo a Sabesp, mesmo com o aviso da sobretaxa sobre a conta de água nos lares dos brasileiros devido a seca.

No Brasil, age-se tardiamente, preferindo o “remediar” do que o “prevenir”.

Portanto, o problema não está nas medidas tomadas pelo governo, mas sim no sistema de informação para a população que é falho e precário, além de que, no Brasil, age-se tardiamente, preferindo o “remediar” do que o “prevenir” e na maior parte dos casos essas atitudes atrasadas é que agravam ainda mais o problema enfrentado. Diversos países adotam o instrumento de sobretaxa como medida permanente, pois sabem e reconhecem que a água é um bem essencial, mas que se não receber os cuidados devidos, ficará cada vez mais escassa e não sobreviverá para as próximas gerações.

O momento é de mudança de atitude e de consciência. É preciso haver um pacto conjunto entre sociedade, governo e empresas privadas. O colapso se instaura e as questões da água e luz nunca foram tão presentes em nossas vidas. Com ou sem multa, com ou sem aumento nas contas que arromba os bolsos dos brasileiros, mais do que nunca, é preciso saber que deve haver uma mudança de consciência, pois a crise que estamos presenciando não somente afeta o aqui e agora. Afeta daqui para adiante, ou seja, para as futuras gerações.

Momentos críticos devem ser encarados como uma necessidade de profundas mudanças frente a nossa relação para com a sociedade e os recursos naturais disponíveis. As crises têm vindo nos mostrar que o espírito de cidadania é inexistente e que ele é, sim, muito importante para a preservação da nossa vida e da vida do Planeta. É necessário estimular a união e a cidadania e o entendimento de que as ações provocadas em um canto do país refletem sim no restante e até ao redor do mundo todo.

Pecamos pela falta de medidas preventivas e sofremos com as medidas que são tomadas em cima da hora.

É preciso planejamento e informação à população. Pecamos pela falta de medidas preventivas, por isso sofremos com as medidas que são tomadas “em cima da hora”, soterrando-nos com radicalismos. Precisamos saber que as ações do norte afetam o sul e vice versa, pois estamos interligados e as divisões fronteiriças são apenas simbólicas, pois não existem separações quando o assunto é cuidar dos recursos que são possibilitados pela natureza.

A medida mais correta a se tomar sempre será a da informação. Informar ao brasileiro de onde vem a sua água, quais os setores que mais gastam esse recurso vital para a nossa sobrevivência, como as empresas lidam com medidas preventivas (ou a falta delas, como ocorre comumente) quanto à poluição que causam, etc. Infelizmente, muitas pessoas, independente do nível socioeconômico, sequer imaginam de onde vem a água e para onde ela vai… escoando no desperdício do inconsciente coletivo.

Para que possamos reverter essa situação, é vital que cada um passe a fazer a sua lição de casa, isto é, que cada um saiba e se comprometa a fazer a sua parte, pois como sabemos, a união faz a força. Com cada cidadão cumprindo a sua parte, sabendo que ele é tão importante quanto o vizinho ou os moradores de outros estados do Brasil, pois todos estamos ligados e não existe separações quando o assunto é recursos da natureza, o cenário pode sim começar aos poucos a ser modificado e poderemos presenciar acontecimentos positivos para a vida de todos, inclusive para o Planeta.

Portanto, separamos algumas dicas de como começar a mudar os hábitos, como adotar medidas e atitudes possíveis para conseguirmos auxiliar a amenizar, cada vez mais, a crise que estamos presenciando e que é mais real do que gostaríamos de admitir.

Conheça as 14 dicas para ajudar a enfrentar este momento de mudanças de hábitos:

Economizando energia:

1) Troque lâmpadas incandescentes por fluorescentes, que possuem maior durabilidade e consomem menor quantidade de energia;

2) Apague as luzes dos cômodos quando não estiver neles;

3) Na hora de pintar e decorar internamente a casa, dê preferência para tintas e móveis claros, pois refletem melhor a luz, proporcionando maior luminosidade ao ambiente;

4) Aproveite bem a luz do dia deixando janelas, cortinas e portas abertas;

5) Mantenha os filtros do ar condicionado sempre higienizados para otimizar seu uso;

6) Acumule roupa para lavar e passar para realizar o trabalho apenas uma vez, já que máquina de lavar e ferro são aparelhos que consomem muita energia;

7) Desligue os aparelhos das tomadas;

8) No trabalho, desligue os aparelhos quando sair, inclusive o monitor do computador, e use papeis usados para rascunho;

Economizando água:

9) Evite gastar tempo desnecessário embaixo do chuveiro, também desligando a água enquanto se ensaboa e lava o cabeço,

10) Escove os dentes com a torneira desligada;

11) Verifique sempre se a descarga não está com problema que cause vazamentos;

12) Verifique também vazamentos nas torneiras e mantenha-as sempre bem fechadas, pois uma torneira pingando gasta 46 litros por dia, ou seja, 1.380 litros por mês;

13) Lave a louça com a torneira fechada;

14) Capte água da chuva para regar jardins e plantas, além de usar essa água para lavar a calçada e o carro, somente quando for necessário.

Pequenas atitudes podem não ser significativas em um primeiro momento, mas representam grandes economias se avaliarmos a partir de uma perspectiva mais ampla, sob a visão do coletivo. Por isso a extrema importância de conscientizar que cada um faça a sua parte.

Economizar luz e água não é somente para seu benefício: é para todos. O nosso Planeta e as futuras gerações agradecem!

 

Opt In Image
Saiba sempre quando houver um novo texto!

Assine nossa newsletter e mantenha-se atualizado com novos artigos que buscam melhorar as nossas vidas. Seu email jamais será divulgado. É prático, eficiente e seguro!